Levante Informativo

Democracia de informações


Deixe um comentário

Cientistas de Harvard Suplicam Para Que Paremos Com O Leite

David Ludwig, médico e doutor especializado em nutrição, publicou diversos artigos acadêmicos focados nos efeitos nocivos de bebibas adoçadas e leite. Segundo sua última publicação – em Setembro de 2013 – o consumo excessivo de açúcar é diretamente ligado à obesidade, diabetes, dores inflamatórias, entre outras. Vários órgãos de saúde tem se pronunciado contra o consumo de de bebibas adoçadas, inclusive nos EUA, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos e a Academia Estadunidense de Pediatria.
Apesar desta boa iniciativa, o público é ludibriado por informações que nada tem de racionais ou científicas, segundo Ludwig. É recomendado que se beba diariamente 3 copos de leite com baixo teor de gordura.

 

“Esta recomenção de se beber três copos de leite ao dia, talvez seja a sugestão de saúde que mais seja seguida pelo público estadunidense nos últimos 50 anos. Como resultado, estadunidenses consomem bilhões de litros de leite todo ano, provavelmente concluindo que sem este, seus ossos esfacelariam-se”. Afirmou David Ludwig.

A maior preocupação de Ludwig é que a recomendação de se beber leite com baixo teor de gordura, é de fato, uma troca equivocada de gordura por adoçantes, ou seja, um conselho que vai de encontro ao primeiro que seria de evitar bebidas adoçadas. A idéia de se consumir leite e achocolatado é contraditória, pois implica a troca de gordura por açúcares perigosos.

“Leite com baixo teor de açúcar é a pior escolha possível: se você tira a gordura, tfica com menos sabor. Então para fazer as crianças tomarem 3 copos ao dia, você precisa de alguma forma adoçar a bebida,” Ludwig diz mais. “…podemos extrair cálcio de uma variedade de alimentos. Em comparação, couve tem mais cálcio que o leite. Sardinha, feijão, nozes, vegetais com folhas verdes são todos fonte de cálcio.”

Existem várias razões para evitar certas gorduras, como as trans e gordura refinada poliinsaturada em óleos vegetais (como o milho, soja, girassol e canola), mas a evidência para o consumo moderado de gordura saturada, que é encontrada no leite, óleo de coco e animais que se alimentam de grama, estão vindo à tona. Enquanto gordura saturada tornou-se uma vilã por décadas, uma análise de 2010 publicada no Jornal Estadunidense de Nutrição Clínica concluiu que “não há evidências significativas para concluir que gordura saturada dietética está associada com o aumento do risco de [doença coronária ou cardiovascular].”
Além disso, existem numerosos benefícios de consumir lacticínios integrais. Em seu estado puro (cru, orgânico e provindo de vacas que se alimentam de capim), foi descoberto em pesquisas que lacticínios integrais potencialmente promovem a saúde do coração, controla a diabetes, ajuda na absorção de vitaminas, diminui o risco do câncer intestinal e até ajuda na perda de peso. Enquanto lacticínios puros podem ajudar a promover a saúde, os convencionais têm-se mostrado danosos para a saúde.
Antes de consumir mais lacticínios, tente educar-se para o que compõe este produto. Você se surpreenderia de saber que podem haver mais de 20 remédios para dor, antibióticos e muito mais escondendo-se em seu leite.
Parece que os veganos estavam certo todo o tempo.

Fonte: http://truththeory.com/2013/07/03/harvard-scientists-urge-you-to-stop-drinking-milk/